sexta-feira, 16 de abril de 2010

KTM prova que menos pode ser mais

Por Luis Claudio Ávila:
Às vezes, no motociclismo, menos potência significa mais diversão… e até tempos de volta mais baixos. Mais de uma década atrás, quando o AMA Motocross abandonou de vez as brutais 500cc 2 tempos, as máquinas com a metade da capacidade cúbica via de regra batiam suas irmãs maiores nas pistas norte-americanas. Na MotoGP, quando as motos baixaram de 990cc para 800cc alguns anos atrás, as velocidades em curva aumentaram instantaneamente e, em alguns casos, recordes de pista foram batidos. Menos potência em alguns casos faz uma motocicleta de corrida andar mais rápido. Pode soar estranho, mas é verdade.
A KTM é tradicionalmente inovadora quando se trata de cilindrada. No mundo das 2 tempos, que ainda tem um bom número de seguidores, ela já ofereceu máquinas de 200cc e 300cc populares e comercialmente bem-sucedidas. Não é surpresa que a marca austríaca seja a primeira a desenvolver uma moto com menos de 450cc para competir na classe MX1 (para quem não sabe, o regulamento só estabelece a cilindrada máxima). A KTM 350SX-F foi anunciada e este ano é pilotada por ninguém menos que o campeão mundial de 2009, o italiano Antonio Cairoli.
A 350SX-F ainda não está disponível ao público, mas é questão de tempo. Ainda mais quando tratamos de pilotos amadores, a tendência é que as 350cc se adaptem ainda melhor, além de, por trabalharem em regimes não tão elevados quanto as 250cc, “moerem” menos o motor, algo que assombra os não-profissionais que pagam a (cara) conta da oficina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário